As 20 melhores CAPAS de 2017 • MAZE // MTV Brasil
ListasMúsicaPosts

As 20 melhores CAPAS de 2017

João Batista2471 views

Depois de falarmos dos álbuns e dos filmes que mais arrasaram em 2017, chegou a hora de falar sobre as capas de discos mais fodas desse ano que passou. Seja em formato de mixtape, EP ou álbum, profissionais de respeito sempre se dedicam muito para expressar graficamente o conceito da obra de forma coerente e marcante.

Sendo assim, sem mais delongas, vamos à lista!

As 20 Melhores CAPAS de 2017
por Equipe MAZE Blog

#20 – G-Eazy – “The Beautiful & Damned”

Com a qualidade e personalidade do artista fora de questão, temos que admitir que a capa do terceiro disco do rapaz é de excelente gosto: um retrato forte, marcante e com uma iluminação que favorece o impacto da imagem.

#19 – Foster the People – “Sacred Hearts Club”

O aguardado terceiro disco da banda agradou muita gente, e a capa também não ficou pra trás. Sob uma luz neon com o título do álbum, vemos os quatro integrantes do grupo encabeçado por Mark Foster.

#18 – Miley Cyrus – “Younger Now”

Mesmo que não tenha convencido muito a crítica com sua era “filha pródiga”, Miley fez um tributo bem bacana à estética dos LPs country dos anos 70.

#17 – Khalid – “American Teen”

Queridinho da crítica em 2017, Khalid aparece olhando pro horizonte numa simples, porém excelente fotografia na capa do seu excelente álbum de estreia.

#16 – P!nk – “Beautiful Trauma”

Estávamos com saudade de P!nk, e ela voltou esse ano com um álbum cuja capa a traz da forma que amamos: plena, porém perigosíssima.

#15 – Fergie – “Double Dutchess”

A espera valeu à pena quando vimos Fergie poderosa e toda fashionista para as lentes de Giovanni Bianco na capa do seu até-então-quase-lendário segundo álbum.

#14 – Kelly Clarkson – “Meaning Of Life”

Estávamos com saudade de Kelly Clarkson cheia de energia e com o vozeirão da porra que nos conquistou. Felizmente, ela supriu nossa saudade voltando com tudo e mostrando toda essa energia na capa do álbum “Meaning Of Life”.

#13 – Stormzy – “Gang Signs & Prayer”

Não falamos muito do rapper Stormzy por aqui – exceto quando ele apareceu (mesmo que desnecessariamente) no remix “Power”, das Little Mix. De qualquer forma, o cara lançou um puta álbum esse ano, e a capa ficou bem massa.

#12 – Kesha – “Rainbow”

A ilustração feita para a capa desse mais que especial álbum da Kesha é de encher os olhos para todos os amantes do surrealismo.

#11 – The Killers – “Wonderful Wonderful”

Simples, porém muito bonita, a banda de Brandon Flowers provou que não precisa de muito pra fazer uma capa bem instigante para um álbum – seja lá qual for o seu significado.

#10 – Paloma Faith – “The Architect”

Quando elegemos Palominha como a dona de um dos melhores álbuns de 2017, a gente mencionou o seu cuidado peculiar com o visual de seus discos. Em “The Architect”, isso não foi diferente.

#09 – St. Vincent – “MASSEDUCTION”

Com uma simples e objetiva alfinetada ao conservadorismo, a capa do disco que traz os hinos “New York” e “Los Ageless” dispensa qualquer tipo de descrição.

#08 – Logic – “Everybody”

Lá em maio, o rapper não poupou esforços para trazer uma literal e multireferenciada obra de arte para ilustrar o seu terceiro álbum de estúdio.

#07 – Tove Lo – “Blue Lips (Lady Wood Phase II)”

Mirando novamente na sexualidade feminina assim como fez em “Lady Wood” (2016), a sueca apostou numa imagem ainda mais picante para a continuidade do disco. Sexy sem ser vulgar, ou vice-versa, mas não importa: ficou incrível.

#06 – Halsey – “hopeless fountain kingdom”

Mesmo com umas bolas fora nesse ano, Halsey também não deixou a desejar na arte do seu segundo álbum.

#05 – Charli XCX – “Number 1 Angel” (Mixtape)

O ano de 2017 foi bem ativo para Charli XCX que, entre alguns singles, feats e duas mixtapes, chamou a atenção de todos com “Number 1 Angel”. Além de agradar muito aos amantes do pop, a capa é um deslumbre à parte.

#04 – Kendrick Lamar – “DAMN.”

Dentre todas já citadas até aqui, nenhuma capa conseguiu expressar tão perfeitamente um álbum como a de “DAMN.”, do Kendrick Lamar – que também figurou com facilidade nossos melhores álbuns de 2017. A arte não é mega produzida, mas se limita apenas à trazer um mal encarado intérprete de “HUMBLE.” em uma pose bastante séria e com o título do disco em vermelho pulsante e caixa alta, já é o suficiente para que a arte transpareça toda a agressividade e caos que as faixas carregam.

#03 – Tyler, the Creator – Flower Boy

Outro rapper que não poupou esforços para lançar um material de boa qualidade visual e musical em 2017 foi Tyler, the Creator. Se já não bastassem a narrativa bem poética e faixas bem elaboradas, a sua capa também não fica pra trás. Nela, vemos a imagem de um homem negro ilustrado em meio à um campo de girassois e muitas abelhas. Algo artístico, sentimental, vulnerável e – trantando de Tyler – imprevisível de uma forma muito positiva e agradável.

#02 – SZA – “Ctrl”

A menina dos olhos do R&B em 2017 e voz de um dos singles mais gostosos de se ouvir lançados nesse ano (amém, “Drew Barrymore”) não poderia ficar de fora de mais um mérito. Não bastava ela tomar posse do título de um dos melhores álbuns de 2017, mas também ser aplaudida pelo seu aspecto visual. Além de seus videoclipes, looks e photoshoots cujas produções são sempre impecáveis, Solána Imani Rowe (o nome real da artista) também fez questão de trazer uma bela capa em seu elogiadíssimo disco de estreia.

#01 – Lorde – Melodrama

Quem gostou, bate palma; quem não gostou, paciência. Todos temos que admitir que Lorde foi uma artista que botou muita banca em 2017 e mandou muito bem em seu retorno em todos os aspectos: o álbum é incríveis, seus clipes são bem fodas e todo o background de conceito foi representado graficamente de forma maestral. A capa de “Melodrama” é literalmente uma obra de arte: feita pelo nova-iorquino Sam McKinniss, a imagem de uma melancólica Lorde sintetiza bem o pop noturno e literalmente melodramático do álbum.

João Batista
Dono, idealizador e fundador do labirinto. Genioso, carioca que não sabe sambar e amante da cultura pop desde 1991.