ESTREIA NETFLIX | "O Mistério das Garotas Perdidas" tropeça em roteiro fraco • MAZE // MTV Brasil
FilmesNetflixResenhas

ESTREIA NETFLIX | “O Mistério das Garotas Perdidas” tropeça em roteiro fraco

Luiz Henrique Oliveira5294 views
ESTREIA NETFLIX | "O Mistério das Garotas Perdidas" tropeça em roteiro fraco

“O Mistério das Garotas Perdidas”, produção coreana que estreou no catálogo da Netflix, é um suspense policial que poderia ter dado muito certo. No entanto, ele fracassa em alguns pontos. Isso tira do filme a possibilidade de ser excelente. Com um roteiro que tropeça na própria história que conta, não passa de mediano.

Se quiser ver a crítica em vídeo, clique abaixo:

Na história, um pastor procura desvendar um mistério sobre uma seita de cunho satânico que está aterrorizando a região. Ao mesmo tempo, um policial procura pistas sobre um assassinato. Os caminhos se juntam quando coisas estranhas começam a acontecer. O roteiro de “O Mistério das Garotas Perdidas” poderia muito bem ser um excelente filme de suspense, que traz as pitadas de mistério e sobrenatural. O problema se dá com o desenvolvimento do longa.

ESTREIA NETFLIX | "O Mistério das Garotas Perdidas" tropeça em roteiro fracoO filme apresenta alívios cômicos que estragam a experiência de quem assiste. É muito fácil se desprender da narrativa quando algo tira a atenção. Dessa forma, colocar comédia no meio de uma história de terror acaba tirando as pessoas daquilo que elas realmente deveriam focar. É uma pena: toda o enredo intrincado envolvendo as seitas, anti-cristo e demônios poderia render muito mais do que rende.

No que diz respeito a técnica cinematográfica, porém, é um filme e tanto. Chega a ser claustrofóbico em alguns momentos. A tensão construída com a fotografia escura deixa a impressão de que algo terrível está para acontecer. As atuações estão também bastante convincentes, o que tem sido uma marca do cinema de gênero coreano.

Pena que todo esse esforço em “O Mistério das Garotas Perdidas” acabe desperdiçado. Dessa forma, temos um filme que poderia ter sido e não foi. No entanto, até que se comece a notar as escolhas ruins, ele diverte e entretém com um clima bastante sombrio.

Luiz Henrique Oliveira
Nasceu no interior de São Paulo em 1986 e escreve sobre cinema em blogs desde 2004. Curte drama, comédia e ficção científica, mas ama mesmo O Poderoso Chefão. Tem interesse no mundo geek, em música brasileira e pode ser facilmente confundido com o Chico Bento pelas ruas da capital paulista.