Os 20 melhores FILMES de 2017 • MAZE // MTV Brasil
FilmesListasPosts

Os 20 melhores FILMES de 2017

Luiz Henrique Oliveira2268 views

2017 tem sido um ano surpreendentemente bom para o cinema. Quando o ano começou, não havia muita expectativa a respeito dos lançamentos e novidades que iriam ser lançados no decorrer dos meses, mas quem esperava por um ano fraco quebrou a cara. Tanto é que foi bem difícil escolher quais foram os 20 melhores filmes — e considerando que o ano ainda não acabou enquanto escrevemos isso, essa lista ainda poderia mudar; se algo extraordinário aparecer, colocaremos como adendo no final do post.

Os 20 Melhores Filmes de 2017
por Luiz Henrique

20. Dunkirk

O filme de Christopher Nolan dividiu o público, mas foi um sucesso de crítica. O longa, que fala sobre a famosa Batalha de Dunkirk, trouxe nomes como Kenneth Branagh, Tom Hardy e a surpreendente performance de Harry Styles, estreando em grandes produções. Bem cotado para o Oscar 2018, o filme tem cenas de ação magnéticas e bem filmadas, apesar do roteiro confuso.

19. Planeta dos Macacos – A Guerra

César, o principal macaco do filme, é um dos personagens mais bem construídos e atuados de 2018. Seria presença certa na temporada de premiações que já começou, se não fosse por um detalhe: performances em captura de movimento ainda é são grande tabus na hora das indicações. Uma pena: esse novo capítulo da saga Planeta dos Macacos, além do trabalho corporal feito pelo grande Andy Serkis, é um primor em todos os sentidos.

18. Okja

Ninguém esperava muito do longa de Joon-Ho Bong produzido pela Netflix, e justamente por isso que ele surpreende. Sua mensagem ecológica e alegoria ao mundo moderno conquistaram crítica e público, e rendeu um filme emocionante e impactante. Tilda Swinton, Paul Dano, Ahn Seo-hyun, e Jake Gyllenhaal formam o elenco do filme que é, na verdade, uma experiência recompensadora.

17. Extraordinário

Grande sucesso editorial, “Extraordinário” ganhou nesse ano uma versão cinematográfica. E todo mundo fica com o pé atrás com isso, mas não foi o caso dessa vez, pois ele foi bem aclamado e, de fato, é bem bonito – tanto no que diz respeito aos aspectos técnicos quanto no que diz respeito à história. Jacob Tremblay dá um show de atuação, sendo superior até mesmo aos astros Julia Roberts, Owen Wilson e Sonia Braga.

16. Em Ritmo de Fuga

Imagina um filme onde ninguém fica parado. Nem os personagens, nem você – que se agita com as perseguições, as interações explosivas entre os personagens e a meia hora final que, no mínimo, pode ser chamada de “eletrizante”. Edgar Wright acertou em cheio em sua fórmula de ação, que também conta muito com o carisma de Ansel Elgort, Jon Hamm, Jamie Foxx e até mesmo Kevin Spacey, em seu último filme da sua acabada carreira.

15. Manifesto

Aqui, Cate Blanchett entrega o ápice de seu talento como atriz num filme-performance onde interpreta não apenas uma, mas 13 personagens completamente diferentes entre si. Na premissa de explicar conceitos de vários movimentos artísticos do século XX, ela consegue se firmar, mais uma vez e de forma não tão mainstream assim, a sua competência performática na sétima arte.

14. Homem Aranha: De Volta ao Lar

Falando em Marvel, este foi o primeiro filme do Teioso como integrante do Universo Expandido, depois do acordo entre o estúdio e a Sony. Tom Holland mostra a que veio e interpreta o melhor Peter Parker do cinema, que mais tem a ver com os quadrinhos. É uma aventura adolescente, inclusive mostrando dilemas de cotidiano pelas quais todas as pessoas passaram na puberdade. Um excelente recomeço para o Amigo da Vizinhança.

13. Fragmentado

M. Night Shyamalan voltou dos mortos. E não é uma alusão ao seu filme mais famoso, “O Sexto Sentido”, mas sim ao fracasso de sua carreira nos últimos dez anos, e que ganhou um novo fôlego com o lançamento deste filme. A história de um homem com 23 personalidades diferentes é tensa do começo ao fim e conta com uma reviravolta surpreendente. Mas nada disso seria possível sem James McAvoy, em sua melhor performance no cinema até aqui.

12. Animais Fantásticos e Onde Habitam

Depois do fim da saga de Harry Potter, os fãs ficaram órfãos de lançamentos do mundo bruxo de J.K. Rowling. Ela, então, resolveu escrever este roteiro que serve como uma espécie de prequel da história de Potter, apesar de focar em Newt Scamander, escritor de um livro citado brevemente nas aulas em Hogwarts. O que parecia apenas um filme caça-níquéis para fãs acabou por se mostrar uma história interessante e bem executada.

11. Lucky

Este é o canto do cisne de um dos maiores veteranos da indústria cinematográfica mundial: Harry Dean Stanton, que participou de mais de 200 filmes, fez aqui seu último trabalho antes de falecer. E deixou este filme como seu testamento artístico, a história de um homem de 90 anos que precisa encarar a sua mortalidade depois de um desmaio. Não é um blockbuster, mas é um filme sensível, bonito e obrigatório sobre a arte de viver e morrer.

10. Guardiões da Galáxia, Vol. 2

O Volume 2 das aventuras dos Guardiões pode não ter tido o mesmo impacto do Volume 1, lançado há alguns anos, mas ainda assim é uma excelente aventura e se destaca entre as produções de 2017. Nesse caso, apostar no “mais do mesmo” é uma forma segura de satisfazer aos espectadores: o humor ácido, as cenas surreais e o absurdo carisma de Chris Pratt dominam o longa, que ainda traz Kurt Russell como vilão e Sylvester Stallone como coadjuvante. Não tem como perder.

09. Blade Runner 2049

A continuação do clássico cult da década de 80 era vista com desconfiança por todos. Afinal, onde o filme anterior dava brechas para uma sequência? Todos que duvidaram morderam a língua: o novo longa é um espetáculo visual, com cenários e fotografia intrigantes e maravilhosamente executados, e uma história-de-detetive que, na verdade, esconde uma questão filosófica sobre o próprio sentido da vida, do que nos torna humanos e nos difere de máquinas. Denis Villeneuve, diretor do já clássico A Chegada, realiza seu melhor trabalho e entrega um filme poderoso e atemporal.

08. Corra!

Uma das grandes surpresas do ano. Jordan Peele escreveu e dirigiu o grande filme de terror do ano, que traz também uma feroz crítica à sociedade atual. Contar qualquer coisa sobre o enredo pode estragar a experiência de quem ainda vai assistir, mas não há qualquer dúvida de que Corra! já se transformou em um clássico. Não há pontas soltas no roteiro, a direção é segura até demais para um iniciante e as atuações são tão convincentes que temos a sensação de estar assistindo a um documentário. Um dos grandes filmes da década, e com certeza tem seu lugar garantido nas premiações.

07. Atômica

Nada melhor do que Charlize Theron esbanjando sensualidade e chutando bundas durante duas horas. A trama de Atomica é baseada em uma HQ de mesmo nome, que fala sobre uma espiã extremamente talentosa e que se envolve em uma história que pode mudar a história do mundo em pleno anos 80, onde a tensão entre Estados Unidos e União Soviética ainda pode causar uma guerra sem precedentes. O filme é empolgante e quase não tem momentos de respiro, e a tela é dominada pela presença de Theron, que já havia provado ser uma excelente heroína em Mad Max.

06. Logan

A despedida de Hugh Jackman do personagem que marcou sua carreira até aqui não poderia ser em melhor estilo. Logan não só é o melhor filme em que o Wolverine aparece (inclui-se todos os filmes dos X-Men aqui) como também é um dos grandes dramas do ano. Patrick Stewart, intérprete do Professor Xavier, merecia uma indicação ao Oscar pelo seu retrato frágil e solitário daquele que foi uma das mentes mais brilhantes do mundo, líder da equipe de mutantes. Todos no filme estão em seu auge, e não há dúvidas de que o longa estará marcado como um dos melhores filmes de super-herói de todos os tempos.

05. It – A Coisa

Mais um exemplo em que todo mundo — crítica e público — mordeu a língua. A adaptação do livro do Stephen King já tinha sido feita em 1990 para uma minissérie lançada em VHS aqui no Brasil, com a atuação icônica do Tim Curry na pele do terrível palhaço Pennywise. Todos imaginavam ser impossível superar, e o filme estava numa espécie de descrença. Mas Bill Skarsgård impressionou, a adaptação foi melhor que o esperado e todo o elenco jovem arrasou em seus papéis. Resultado: It foi um sucesso, e sua continuação já está à caminho. Ainda bem.

04. Bingo – O Rei das Manhãs

O cinema nacional tem tido grandes filmes nos últimos anos. Em 2016, Aquarius esteve na lista dos melhores do ano de praticamente todos os sites, especializados ou não, e só não concorreu ao Oscar por um problema político. Neste ano, Bingo foi o grande longa brasileiro. A história, passada nos anos 80, desvendou a vida e a decadência de Arlindo Barreto, intérprete do palhaço Bozo, no programa que passava no SBT. Vladimir Brichta encarnou o personagem – o real e o da TV – de uma forma tão intensa que ele simplesmente desapareceu, dando espaço a uma atuação marcante.

03. Mulher Maravilha

O melhor longa de super-heróis do ano, empatado com Logan, mas que ganha uns pontos a mais por conta de sua representatividade: o filme é estrelado por uma mulher, dirigido por uma mulher e todas as previsões de analistas em bilheteria diziam que não seria um grande sucesso por conta disso. No fim, o filme arrecadou mais de 800 milhões de dólares em bilheteria, assegurou sua continuação e deixou para trás grandes apostas como Liga da Justiça. Méritos de Patty Jenkins e Gal Gadot, diretora e atriz, respectivamente, por trazerem para as telas uma história leve, divertida e que em nenhum momento decai em sua qualidade. O grande acerto da DC nos cinemas.

02. Star Wars: Os Últimos Jedi

O filme que sacudiu todo o cânone da saga. Todo mundo estava ansioso pelo “filme do meio” da nova trilogia, mas é provável que os temas, direcionamento dos personagens e soluções da história não fossem esperados nem pelo mais expert em Star Wars. Praticamente tudo que foi mostrado no filme anterior foi derrubado aqui, e a partir de agora novos caminhos se abrirão para o futuro de Finn, Rey, Kylo Ren, Luke Skywalker e companhia limitada. O filme é emocionante, divertido, engraçado e surpreendente, além de ser uma despedida mais do que digna de Carrie Fisher.

01. mãe!

O grande filme do ano é aquele que dividiu público e crítica. Ou se ama ou se odeia, quase na mesma proporção. Darren Aronofsky entregou em Mãe! um longa todo baseado em metáforas, que a partir do momento em que são entendidas, causam espanto e choque nos espectadores. Além disso, o filme é extremamente competente em sua direção de arte, na construção da casa onde a historia se passa, e nada seria sem a força da interpretação de Javier Barden, Ed Harris e Michelle Pfeiffer, além da melhor atuação da carreira de Jennifer Lawrence. Um filme montado como um quebra-cabeças, e que surpreende pela mensagem.

Luiz Henrique Oliveira
Nasceu no interior de São Paulo em 1986 e escreve sobre cinema em blogs desde 2004. Curte drama, comédia e ficção científica, mas ama mesmo O Poderoso Chefão. Tem interesse no mundo geek, em música brasileira e pode ser facilmente confundido com o Chico Bento pelas ruas da capital paulista.