Resenha | "Desventuras em Série" - 1ª Temporada • MAZE // MTV Brasil
PostsResenhasSéries e TV

Resenha | “Desventuras em Série” – 1ª Temporada

Bruno Couto2802 views

Que a Netflix está causando em suas produções, isso não é surpresa para ninguém. Na última sexta-feira (13), serviço de streaming lançou a sua mais nova, e magnífica, série: Desventuras em Série.

A trama se baseia nos livros bestsellers de Lemony Snicket (pseudônimo do autor Daniel Handler), e narra a história de três jovens muito inteligentes – Violet Baudelaire (Malina Weissman), a irmã mais velha e com um potencial inventivo incomparável; Klaus Baudelaire (Louis Hynes), um garoto apaixonado pela leitura e; Sunny Baudelaire (Presley Smith), a mais jovem dos três, um bebê muito fofo, porém dotada de dentes afiados – que se deparam com a perda inconsolável de seus pais, em um grande incêndio que destruiu por completo sua casa.

A partir de então, os pobres órfãos Baudelaire se vêm à mercê do destino, sendo confiados à guarda de seu parente mais próximo, o Conde Olaf (Neil Patrick Harris), um péssimo ator, que tudo o que almeja é por as mãos na fortuna deixada às crianças e que para obter êxito não terá escrúpulo algum.

E eis que somos jogados à graça das crianças e quando menos se espera sentimos raiva pelo seu testamenteiro, o sr. Poe (K. Todd Freeman), por não dar crédito aos órfãos sobre as vilanias que lhe acometem.

A cada dois episódios temos a adaptação de um dos treze livros que compõe a série, nesta temporada os livros 1 a 4 foram trazidos às telinhas, onde os jovens Baudelaire se vêm com um tutor diferente, em cada um deles.

É incrível o trabalho feito pelo diretor e produtor, Barry Sonnefield , tanto na escolha no elenco, quanto pelo cenário. Sem mencionar no roteiro, que conseguiu conciliar muito bem as aparições de Patrick Warbuton (Lemony Snicket) narrando a história das três crianças, além dos diálogos, as piadas muito bem estruturadas e elaboradas, e as poucas sequências de ação que a série mostrou, embora careçam de um pouco mais de profissionalismo. A coisa mais interessante que você verá, é que as cores dos cenários acompanham o humor dos protagonistas, então quanto mais alegre, mais cores vivas e luz estampam o fundo, e quanto mais triste, mais frio e escuro o ambiente se torna. E isso é simplesmente I N C R Í V E L!

Quanto ao elenco não podemos deixar de elogiar, em primeiro lugar, Neil Patrick, que mais uma vez esbanja talento e carisma, conseguindo traduzir, com excelência, seu personagem e mostrando que com ele não há desafios, visto que nesta temporada, o ator teve de interpretar um conde, um assistente de cientista, um capitão de navio e uma secretária, e conseguindo fazer com que o público o odeie. Do elenco mirim, mais uma vez, a Netflix conseguiu arrancar suspiros e o carinho de seu público, apresentando duas pequenas estrelas em potencial, Malina e Louis, que embora pouco experientes, deixaram bem claro que não entraram para brincar, e deram o seu melhor para deixar sua marca em nossos corações, e com muito sucesso, pois é impossível não se apaixonar com estes dois. Ah, é claro, não posso esquecer do plus de fofura Presley, que dá vida à Sunny, com suas expressões que deixam qualquer coração gelado se derreter.

O elenco de apoio também não deixou a desejar e contou com Joan Cusak, no papel da juíza Strauss, vizinha do Conde Olaf e uma vítima dos planos do nosso odiado vilão; Alfre Woodard, interpretando Josephine, umas das tutoras designadas aos Baudelaire que sofre com síndrome do pânico; Aasif Mandvi, que deu à luz ao Dr. Montgomery, um brilhante cientista que dedica sua vida ao estudo de répteis e o segundo tutor dos órfãos, além de Catherine O’Hara Don Johson.

Desventuras em Série é uma série que agrada adultos e crianças, além de ser a diversão garantida para o final de semana. Se você já assistiu aos episódios disponibilizados, conte pra gente o que você achou?

Bruno Couto
Abacate at law (em formação). Viciado em séries, filmes e super heróis, Potterhead. Targaryen. Mais um hobbit perdido na Terra Média da Cultura POP.