Resenha faixa-a-faixa: Anitta, "Bang" • MAZE // MTV Brasil
MúsicaPostsResenhas

Resenha faixa-a-faixa: Anitta, “Bang”

João Batista5926 views

Outubro de 2015 tem sido um mês bastante movimentado para os fãs de música pop. Enquanto nomes internacionais de grande relevância, como as estrelas juvenis Demi Lovato e Selena Gomez, chegam para fixar sua nova identidade artística no pop, quem também tá investindo na sua repaginada é uma prata da casa: Anitta.

Desde o anúncio, a carioca vem se mostrando empenhada em sua promoção. Bang, o nome do álbum, ganhou uma visibilidade monstra após todo o buzz relacionado à faixa título que ganhou um Exmo. Sr. Videoclipe neste mês sob direção artística do ítalo-brasileiro Giovanni Bianco. Mas essa não foi a única surpresa agradável dessa nova era, e a prova disso você confere a seguir nessa breve análise de cada música do novo projeto da poderosa.

Capa de "Bang", terceiro álbum da Anitta (2015/Warner Music Brasil)
Capa de “Bang”, terceiro álbum da Anitta (2015/Warner Music Brasil)

01 – BANG

A já mencionada faixa-título abre o álbum prometendo mais do mesmo universo no qual Anitta investe, porém com uma proposta tão pop como nunca. Batidões dão lugar à arranjos pegajosos de sax na melhor forma mainstream de ser. “Bang” é mais um exemplo de que poucas foram as ocasiões em que composições mereceram destaque em sua discografia, mas quando a intenção é dançar e se divertir despretensiosamente, convenhamos: isso não é muito necessário.

02 – DEIXA ELE SOFRER

Outra já conhecida pelo público, “Deixa Ele Sofrer” é a segunda música do álbum e mantém o formato pop introduzido na faixa abre-alas. Aliás, já tem post aqui no blog sobre a música e o sobre o clipe, que você confere a seguir.

03 – CRAVO E CANELA (feat. JHAMA)

Com o auxílio de Vitin, da Onze:20, Anitta entrega a primeira romântica do cd. Quem curte o som reggae da banda do convidado especial, certamente curte do começo ao fim. Ela manda super bem em duetos assim, não é mesmo? Prova de que “Cobertor” não foi uma simples sorte de principiante.

04 – PAREI

Calma, você não apertou o botão aleatório sem querer e foi parar numa faixa produzida por will.i.am, apesar dos primeiros 20 segundos passar essa exata impressão. Carregadíssimo-íssimo-íssimo de autotune, a voz de Anitta aparece sintetizada em 80% da música, mas é impossível resistir ao refrão, que mostra a Anitta ~de raiz~ que todos nós conhecemos há alguns anos atrás.

05 – ESSA MINA É LOUCA

Saudades de “Ritmo Perfeito”? Com o apoio de Jhama, que integrou o projeto Trio Ternura por volta de 2011 junto com o ator Thiago Martins, “Essa Mina É Louca” nos leva de volta à gafieira anittesca que fez todo mundo dançar muito no ano passado.

06 – ATENÇÃO

O que seria de um cd sem fillers? Não que a música seja ruim, mas também não é nada diferente do que vimos no Anitta ou no Ritmo Perfeito. Mas a gente releva, porque Bang está muitos pontos positivos até agora.

bang-anitta-maze-blog-207 – GOSTO ASSIM (feat. DUBEAT)

Falando em pontos positivos, olha um deles aqui! Com uma roupagem hip-hop, “Gosto Assim” tem um grande destaque entre as faixas do cd. Boas batidas, versos com referências aos hits anteriores da carioca e participação do rapper Dubeat muito bem aproveitada.

08 – SHOW COMPLETO

Fiiiiiilleeeeer.

09 – VOLTA AMOR

Anitta não deixou o romantismo de lado em Bang. Além de “Cravo e Canela”, “Volta Amor” é outra fofinha que dá um break pra ajudar a descansar um pouco da sequência quebradeira.

10 – SIM (feat. CONECREW)

Confesso que não simpatizo muito com o som do Conecrew, algo que me fez ver a participação deles na tracklist com um certo receio. Mas não foi preciso ouvir muito pra SIMpatizar com a faixa, que é uma das mais sensuais já lançadas por Anitta. Parceria aprovada? Sim.

11 – PODE CHEGAR (feat. NEGO DO BOREL)

Já estava na hora de #Annego acontecer, afinal de contas os dois são super amigos e até cairam na estrada juntos com a turnê Os Caras do Momento. “Pode Chegar” não é algo que faça de Bang o álbum do milênio ou que torne Anitta digna de um Grammy, mas é boa o suficiente para fazer muita gente ir até o chão.

12 – EU SOU DO TIPO

Juro que se colocasse “Atenção”, “Show Completo” e “Eu Sou do Tipo” na sequência, eu acharia que era uma música só.

13 – DEIXA A ONDA TE LEVAR

Quase chegando no final do disco, mais uma surpresa. “Deixa a Onda Te Levar” tem um ar tropical e nostálgico, lembra até um pouco os hits de verão dos anos 90 em alguns pontos. Nível zero de funk por aqui – não que esse seja um fator importante, apenas para ressaltar a clara transição da cantora nesse disco.

14 – ME LEVA A SÉRIO

A música que fecha o Bang é mais uma das baladinhas românticas. Não é por ser a última música ou por ser ruim/boa, mas não seria uma que faria falta caso não estivesse no tracklist. Mas ainda assim, há quem goste.


Anitta ainda tem muito que aprender no meio artístico. Depois de uns escorregões e gafes em público, como sua memorável participação no programa de Serginho Groisman juntamente com Pitty, ela está finalmente começando a se adequar na mídia e, principalmente, passar a confiar um pouco mais no trabalho de terceiros. Prova disso é o resultado da parceria com Giovanni Bianco, que soube imprimir muito bem a nova fase da cantora através de uma colorida e divertida identidade. Afinal de contas, a capa de um álbum pode ser um forte cartão de visitas.

E diga-se de passagem que, assim como a capa, as músicas do Bang se saíram muito bem, obrigado. É muito legal quando a gente vê um artista nacional saindo do óbvio e investindo em algo mais amplo. Mesmo com algumas músicas bem desnecessárias, seu saldo terminou bem positivo e com boas intenções para se consolidar como um divisor de águas da carreira da poderosa. E para os haters, só resta o choro!

João Batista
Dono, idealizador e fundador do labirinto. Genioso, carioca que não sabe sambar e amante da cultura pop desde 1991.